CDS quer saber que medidas está o Governo a tomar para resolver situação das maternidades do Algarve
Segunda, 08 Julho 2019 09:23    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

maternidadeOs deputados do CDS-PP João Rebelo, Teresa Caeiro e Isabel Galriça Neto questionaram hoje, por escrito, a ministra da Saúde sobre a situação que se vive nas maternidades do Algarve.

Na pergunta, os deputados do CDS-PP querem que a ministra confirme que decorre um concurso nacional para admissão de pessoal médico para a área hospitalar, encontrando-se abertas duas vagas para pediatras no Centro Hospitalar Universitário do Algarve.

Depois, e sendo reconhecido pelo Conselho de Administração do CHUA que para resolver o problema da falta de médicos pediatras será necessário, eventualmente, recorrer a empresas de prestação de serviços médicos, os deputados do CDS-PP questionam quais os motivos para que o problema se mantenha e que medidas foram já tomadas para efetivar estes contratos.

Finalmente, questionam que medidas está a ministra a tomar, no imediato, para que situações como a deste fim de semana não se repitam.

A 12 de junho p.p., os deputados abaixo-assinados enviaram à Senhora Ministra da Saúde a Pergunta 2275/XIII/4 sobre “Falta de médicos pediatras na maternidade do Hospital de Portimão” (ainda dentro do prazo previsto na lei para reposta), visando a obtenção de esclarecimentos acerca de uma denúncia do Sindicato Independente dos Médicos (SIM) sobre o encerramento da maternidade do Hospital de Portimão, entre as 16h30 do dia 7 e as 9h00 do dia 11 de junho, por falta de médicos pediatras que assegurem os cuidados neonatais em presença física.

De acordo com o noticiado por vários órgãos de comunicação social nacionais e locais, o o Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) garantiria os iminentes e/ou emergentes, sendo que as outras grávidas seriam encaminhadas para o Hospital de Faro.

Lamentavelmente, de então para cá, a situação tem vindo a piorar, tendo, neste fim de semana sido registado um caso de absoluta gravidade.

As grávidas enviadas de Portimão para Faro são obrigadas a fazer 68 km por autoestrada. No entanto, esgotando a sua capacidade de atendimento, o Hospital de Faro reencaminha as grávidas para o Hospital de Évora, a 224 km.

Foi o que aconteceu este fim de semana, a 6 de julho p.p., de acordo com uma nova denúncia do SIM.

Esgotada a capacidade de atendimento e devido à incapacidade para receber prematuros, o Hospital de Faro enviou de ambulância para Évora – a 224 km –, uma grávida de 28 semanas e seis dias com rutura prematura de membranas e que ficou internada no Serviço de Obstetrícia.

Em declarações à comunicação social, o Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) admitiu que a Unidade de Neonatologia do Hospital de Faro estava lotada e que a transferência direta para Évora deu-se por razões clínicas.

No dia 6 de julho p.p., a maternidade do Hospital de Faro entrou em rutura e estava sem capacidade para receber prematuros transferidos de Portimão, onde o serviço se encontra fechado temporariamente por falta de médicos para assegurar as escalas.

A maternidade do Hospital de Portimão esteve novamente encerrada no período compreendido entre as 9h00 de dia 6 e a mesma hora de dia 7 de julho p.p., situação que, de acordo com o CHUA se ficou a dever ao facto de não ser possível garantir o apoio de pediatra com competências na área da neonatologia na referida unidade.

Ainda segundo o CHUA, «neste momento, decorre um concurso nacional para admissão de pessoal médico para a área hospitalar, encontrando-se abertas duas vagas para pediatras».

O CDS-PP encara estes factos com muita preocupação, considerando ser absolutamente necessário e prioritário assegurar tanto o acesso à saúde, como a qualidade da prestação de cuidados de saúde à população, o que, neste caso, claramente, continua a não acontecer.

Sem prejuízo das questões colocadas na Pergunta 2275/XIII/4 sobre “Falta de médicos pediatras na maternidade do Hospital de Portimão”, de 12 de junho p.p., e devido à escalada preocupante de casos que colocam em risco a saúde dos portugueses, o CDS-PP entende ser de extrema urgência obter esclarecimentos por parte da Senhora Ministra da Saúde.

 

Deputados CDS

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Lisboa Presidente do CDS-PP

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga