CDS questiona Governo sobre Urgência de Obstetrícia do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca
Sexta, 09 Agosto 2019 18:50    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

HospAmadoraSintra01As deputadas do CDS-PP Isabel Galriça Neto, Teresa Caeiro e Ana Rita Bessa questionaram a Ministra da Saúde sobre a Urgência de Obstetrícia do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca.

Na pergunta, as deputadas do CDS-PP questionam, nomeadamente:

1- Confirma V. Exa. que o Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca (Amadora-Sintra) está a praticar escalas ilegais no serviço de urgência de obstetrícia?

2- Confirma V. Exa. que os profissionais estão a fazer mais de 100 horas de urgência num mês, para além do que seria habitual?

3- Confirma V. Exa. que o hospital tem apenas seis equipas com quatro elementos e que fazem sete bancos de 24 horas em cinco semanas?

4- Que justificação apresenta V. Exa. para estas denúncias feitas pela Ordem dos Médicos?

5- Confirma V. Exa. que, em finais de junho, a Ordem dos Médicos apresentou à tutela propostas para a resolução destes problemas, que estavam previamente identificados, e que V. Exa. não tomou medidas para os resolver?

6- Que medidas foram, entretanto, tomadas para resolver estes graves problemas?

7- Está V. Exa. em condições de garantir que a qualidade e segurança dos cuidados prestados às grávidas, parturientes e bebés não está, de modo algum, em causa?

8- Está V. Exa. em condições de assegurar que estão garantidas as condições e horários de trabalho legalmente exigíveis aos profissionais de saúde deste hospital?

De acordo com a Ordem dos Médicos, o Hospital Amadora-Sintra estará a praticar escalas ilegais na urgência de obstetrícia.

Alegadamente, os profissionais estarão a fazer mais de 100 horas de urgência num mês, para além do que seria habitual e desejável. O hospital tem apenas, segundo o presidente da secção regional do Sul da Ordem dos Médicos, “seis equipas com quatro elementos e fazem sete bancos de 24 horas em cinco semanas” e, em 50 fins-de-semana, os médicos do serviço de urgência de obstetrícia deste hospital “estão ocupados em 30 fins-de-semana”.

Conforme é público, este Verão tem-se verificado o caos nas maternidades, com transferências permanentes de grávidas entre hospitais e tempos de espera cada vez maiores.

Ora, como seria previsível, as equipas estão esgotadas, atingiram o seu limite e, naturalmente, as consequências refletem-se na qualidade dos cuidados prestados em tempo útil e segurança, tanto às grávidas e parturientes como aos bebés.

Está mais do que demonstrado que o Governo não acautelou atempadamente, como era sua obrigação, as férias dos profissionais durante o período de Verão.

Segundo o presidente da secção regional do sul da Ordem dos Médicos, os problemas estavam atempadamente identificados e, em finais de junho, a Ordem dos Médicos terá apresentado à tutela propostas para a sua resolução. No entanto, a tutela não tomou as medidas necessárias.

Ora, o CDS-PP encara estes factos com muita preocupação, considerando ser absolutamente necessário e prioritário assegurar tanto o acesso à saúde, como a qualidade dos cuidados prestados como, naturalmente, as condições e horários de trabalho dos profissionais de saúde, o que, manifestamente, não está a acontecer.

Neste sentido, entendemos ser da maior pertinência e urgência que o Governo preste esclarecimentos sobre este grave problema no Hospital Amadora-Sintra.

Actualizado em ( Segunda, 12 Agosto 2019 11:52 )
 

Deputados CDS

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Lisboa Presidente do CDS-PP

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga