CDS questiona ministra sobre Hospital Compaixão e recusa de atendimento a uma criança no CS de Miranda do Corvo
Sexta, 06 Dezembro 2019 12:37    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

hospital compaixaoA deputada do CDS-PP Ana Rita Bessa questionou esta semana a Ministra da Saúde sobre a falta de convenção entre o Hospital Compaixão, em Miranda do Corvo, e o SNS, e também sobre um caso de recusa de atendimento a uma criança no Centro de Saúde de Miranda do Corvo.

Quanto ao Hospital Compaixão, a deputada do CDS-PP questiona se a ministra está a par do investimento realizado pela Fundação ADFP na construção e equipagem da unidade, quais os motivos pelos quais não foi ainda celebrada uma convenção com o SNS e para quando está prevista a sua concretização.

Em relação ao caso de que, no dia 26 de novembro, o Centro de Saúde de Miranda do Corvo recusou atender uma criança de 11 anos que tinha dado entrada com 39 graus de febre, a deputada quer saber se esta recusa se deve ao facto de essa criança não estar inscrita nesse Centro de Saúde e ter médico de família atribuído em Coimbra e se é prática deste Centro de Saúde negar atendimento a quem não está lá inscrito.

Perguntando depois que justificação apresenta a ministra para estes factos, Ana Rita Bessa quer saber se a titular da pasta entende, ou não, que os Cuidados de Saúde Primários são – ou deveriam ser – a porta de entrada do Serviço Nacional de Saúde, por que motivo não foi esta criança atendida no Centro de Saúde de Miranda do Corvo e, depois de lhe serem prestados os cuidados necessários, seria então encaminhada para o seu médico de família em Coimbra, e se não entende a ministra que, independentemente de onde está o médico de família do utente, é sempre preferível que o atendimento seja feito primeiro no âmbito dos Cuidados de Saúde Primários, para evitar as tão indesejáveis idas desnecessárias às urgências hospitalares.

O Governo alega defender o mesmo e congratula-se pela suposta reforma dos CSP que tem vindo a fazer, reforma essa que o CDS-PP tem vindo a denunciar estar parada. Lembramos, a título de exemplo, da promessa do Governo que ficou por cumprir na anterior Legislatura, de atribuir um médico de família a cada cidadão.

O CDS-PP entende que não é admissível que o SNS negue atendimento seja a quem for.

A saúde é um dos mais poderosos fatores de integração e coesão sociais, mas também de geração de riqueza e bem-estar.

Dentro do Sistema de Saúde, o SNS é um instrumento precioso e insubstituível para garantir os valores do acesso, da equidade e da solidariedade social na saúde. Mas a construção de um sistema nacional de saúde, de qualidade e reconhecida eficiência, não obriga a que seja sempre o Estado a prestar, diretamente, todos os cuidados de saúde, podendo e devendo chamar-se os setores privado ou social a fornecer serviços.

O CDS considera que os setores privado e social podem e devem coexistir com o setor público, como concorrentes numas circunstâncias, e, noutras, podendo complementar-se entre si, como poderá ser o caso do Hospital Compaixão, em Miranda do Corvo.

O CDS acredita e defende que é o sistema que tem de organizar-se para servir o cidadão e não o oposto.

Actualizado em ( Sexta, 06 Dezembro 2019 12:40 )
 

Deputados CDS

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga