Nuno Melo questiona Comissão Europeia sobre diretiva que limita autonomia de procuradores
Terça, 11 Fevereiro 2020 09:54    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

nuno meloO eurodeputado centrista Nuno Melo questionou hoje a Comissão Europeia sobre diretiva da Procuradoria-Geral da República (PGR) que limita a autonomia dos procuradores do Ministério Público, designadamente na investigação criminal, informou hoje o próprio.

Num requerimento com caráter prioritário apresentado à Comissão Europeia, Nuno Melo questiona a Comissão Europeia sobre a compatibilidade da diretiva da PGR com o Estado de Direito, onde se inclui "uma sociedade caracterizada pela justiça", e se tal é "compatível com instruções orais da hierarquia, impossíveis de qualquer controlo e sindicância".

O eurodeputado refere, em comunicado, que o direito a uma ação, a um processo equitativo e a que a causa seja examinada de forma imparcial consta da Convenção Europeia dos Direitos do Homem e lembra que a atuação do Ministério Público, num sistema democrático, se "cinge à defesa da legalidade e não pode oscilar de acordo com opções políticas e diferentes governos".

Pela mesma razão, observa, a autonomia interna do procurador do processo de que é titular "não pode ser enfraquecida".

Segundo Nuno Melo, a diretiva da PGR, dirigida por Lucília Gago, vem limitar a autonomia dos procuradores do Ministério Público, reforçando os poderes da hierarquia, ao consagrar a faculdade de emissão de ordens e instruções, gerais ou concretas sobre processos, mas sem que tais decisões constem desses processos, tornando-as não-escrutináveis.

"Significa que um superior hierárquico poderá dar ordens ao magistrado titular de um inquérito, para que este acuse ou arquive um processo contra determinada pessoa, ou interferir nas diligências de produção de prova, sem que o facto fique registado e nessa medida o processo seja transparente", alerta o eurodeputado.

Em tese - adverte o eurodeputado - será possível que um responsável da (PGR) nomeado pelo governo dê instruções para que políticos ou outros não sejam investigados, sem que disso fique registo (nos autos) e possa ser avaliado ou responsabilizado pelo ato.

 

Fonte: Lusa

 

Deputados CDS

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga