Covid-19: CDS-PP questiona medidas previstas para atenuar impacto na medicina dentária
Quinta, 26 Março 2020 20:20    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

dentistasO CDS-PP entregou hoje no parlamento uma pergunta dirigida ao Governo para saber quando serão entregues equipamentos de proteção a profissionais de medicina dentária e que medidas serão tomadas para minimizar o impacto económico-financeiro provocado pela covid-19.

Na pergunta, dirigida à ministra da Saúde, Marta Temido, o grupo parlamentar centrista questiona quantos equipamentos de proteção individual “tenciona o Governo distribuir a estes profissionais de saúde” da área da “medicina dentária, estomatologia e odontologia”, e quando.

“Para que possam socorrer as situações comprovadamente urgentes e inadiáveis, com toda a segurança para si, para as suas equipas e para os respetivos utentes”, justifica.

Os deputados do CDS questionam também a ministra sobre “que medidas concretas vai o Governo tomar para minimizar o impacto económico-financeiro que a pandemia do covid-19 está a causar aos profissionais de saúde das áreas da medicina dentária, estomatologia e odontologia”.

“Vão essas medidas abranger todos estes profissionais, sejam eles trabalhadores independentes a recibos verdes, trabalhadores por conta de outrem ou sócios-gerentes de clínicas dentárias?”, perguntam ainda.

No documento, o partido afirma que “tem recebido exposições destes profissionais de saúde, demonstrando sérias preocupações com a sua situação financeira, bem como das clínicas que tiveram de interromper os seus serviços” exceto “para as situações comprovadamente urgentes e inadiáveis”.

Citando trabalhadores do setor, não identificados, o grupo parlamentar do CDS assinala que as medidas tomadas pelo Governo para tentar mitigar o impacto da declaração do estado de emergência na sequência da propagação do novo coronavírus, “pouco ou nada protegem financeiramente os profissionais” deste setor e apontam que “os médicos dentistas não estão a conseguir assegurar a aquisição de equipamentos individuais de proteção”.

 “Compreendemos e aplaudimos toda e qualquer medida que seja tomada para minimizar a propagação da covid-19 e o risco de infeção da população. No entanto, entendemos que têm de ser acauteladas medidas que protejam também estes profissionais do ponto de vista financeiro, uma vez que neste momento a esmagadora maioria está impedida de trabalhar”, salientam os deputados do CDS.

Salientando que “tendo em conta que está em causa a subsistência de milhares de profissionais de saúde”, o partido “entende ser da maior pertinência que o Governo esclareça que medidas concretas está a equacionar para proteger estes profissionais de saúde”.

Portugal registou os primeiros casos confirmados no dia 02 de março, encontrando-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Hoje, subiu para 60 o número de mortes associadas à covid-19, mais 17 do que na quarta-feira, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral de Saúde, registando 3.544 casos de infeção.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 450 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 20.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

 

Deputados CDS

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga