Medidas do Governo "merecem apoio e concordância" do CDS
Quinta, 19 Março 2020 21:46    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

telmo pulpito drO líder parlamentar do CDS-PP, Telmo Correia, afirmou hoje que as medidas do estado de emergência para conter a pandemia de Covid-19, apresentadas hoje pelo primeiro-ministro "merecem o apoio e a concordância" do partido.

"Estas medidas merecem o nosso apoio e merecem a nossa concordância", afirmou.

Em declarações à agência Lusa depois de o primeiro-ministro ter anunciado as medidas que concretizam o estado de emergência em que Portugal se encontra desde as 00:00 de hoje e até 02 de abril, Telmo Correia observou que António Costa entendeu "não avançar para uma quarentena mais compulsiva" para a generalidade da população.

"Eu não consigo dizer se estas medidas serão suficientes, eu espero que sejam", observou o centrista.

Considerando que "a grande alteração do dia de ontem [quarta-feira] para o dia de hoje é o encerramento generalizado do comércio", o deputado do CDS pediu ao Governo que implemente medidas para acautelar as perdas este setor.

Telmo Correia congratulou-se também com o anúncio da constituição de um gabinete de crise, que incluirá vários ministros, ressalvando porém que a proposta do seu partido seria de um conselho "mais alargado", enquanto "este é essencialmente governamental".

Indicando que a situação "implica um acompanhamento diário, momento a momento", o CDS salientou que espera que "este gabinete vá respondendo".

"Apoiamos as medidas que estão a ser tomadas, parecem-nos relevantes", mas "não nos demitiremos de acompanhar", vincou Telmo Correia.

O Conselho de Ministros aprovou hoje parte das medidas que concretizam a execução do decreto do Presidente da República que institui o estado de emergência.

Entre as medidas aprovadas destaca-se o dever de "recolhimento domiciliário" para a generalidade da população, um "dever especial de proteção" para as pessoas "com mais de 70 anos ou com morbilidades" e o isolamento obrigatório apenas para doentes com Covid-19 ou que estejam sob vigilância ativa.

Neste último caso, se o isolamento obrigatório não for cumprido, os doentes incorrem no "crime de desobediência", e o Governo admite, se necessário, vir também a definir um quadro sancionatório para punir quem quebre os deveres especial de proteção e de recolhimento.

Para as atividades económicas, o Governo definiu como regra que os estabelecimentos com atendimento público devem encerrar, à exceção dos de bens essenciais "à vida do dia a dia", e que os restantes devem manter-se abertos.

Já os estabelecimentos ligados à restauração "devem ser encerrados no seu atendimento público", mas o Governo incentiva a que se possam manter em funcionamento para serviços de entrega ao domicílio e `take-away´ (recolha na loja).

A reunião do Conselho de Ministros prosseguirá na sexta-feira, a partir das 10:30, uma vez que o primeiro-ministro tinha hoje reunião semanal com Marcelo Rebelo de Sousa.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 220 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 9.000 morreram.

O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se já por 176 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje o número de casos confirmados de infeção para 785, mais 143 do que na quarta-feira. O número de mortos no país subiu para três.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, decretou o estado de emergência na quarta-feira - aprovado pelo parlamento, depois de parecer favorável do executivo - que prevê a possibilidade de confinamento obrigatório compulsivo dos cidadãos em casa e restrições à circulação na via pública, a não ser que seja justificada.

 

Deputados CDS

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga