Uma Saúde míope não vê nem problemas nem soluções
Quinta, 09 Setembro 2021 18:30    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

ana rita bessa 2021Sr. Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Recentemente lemos nos jornais a seguinte manchete:

Número de doentes em lista de cirurgia é o mais baixo dos últimos dois anos e meio”.

Sendo este um dado factual não revela toda a verdade.

A explicação oferecida pela Administração de Saúde é a de que, apesar de todos os desafios colocados pela pandemia, tem havido um esforço de recuperação da atividade programada.

Mas o que não é dito é que, por causa das decisões tomadas em função da pandemia, informadas pelo modelo ideológico de prestação de cuidados de saúde do Governo, há quebras significativas no acesso a rastreios, a cuidados de saúde primários e a referenciação para consultas de especialidade.

Podemos ter manchetes laudatórias em tempos eleitorais, mas a verdade é que os doentes não COVID nem sequer estão a chegar aos hospitais e é também por isso que a lista de inscritos para cirurgias é baixa.

São boas estatísticas, mas não são boas notícias.

A quebra nos rastreios oncológicos é particularmente grave e ilustrativa: por exemplo, estimam-se em 100 mil as mamografias que não foram realizadas. Por causa disto, estudos recentes apontam para um crescimento de mais de 15% do diagnóstico de cancro nos próximos anos, com menor taxa de sobrevivência, dado o estadio avançado a que os doentes chegarão aos hospitais.

Também nos Cuidados de Saúde Primários há um problema grave. Os profissionais de saúde estão há meses capturados pelo Trace COVID, pelos ADR e pelos centros de vacinação. E as consultas por telefone – em muitos casos apenas para renovar a medicação de doentes crónicos –, não são uma solução nem cabal nem sustentável. É urgente normalizar o funcionamento dos cuidados de saúde primários e reforçar o seu papel de promoção da saúde e prevenção da doença.

Portanto, há um atraso real no acesso – embora ainda não totalmente expresso em listas de espera –, os profissionais de saúde estão esgotados, e há um SNS que padecia, já antes da pandemia, de inúmeras e bem identificadas fragilidades.

Senhoras e Senhores Deputados, perante tudo isto, como nos devemos colocar?

Talvez aqui resida a maior diferença entre a Direita e a Esquerda, ou pelo menos entre o CDS e a Esquerda, no que respeita à Saúde.

Para o CDS a pergunta a responder, agora e para o futuro, é: como garantir o acesso a cuidados de saúde a tempo e horas para todos?

Já a pergunta da Esquerda – bem presente no que ouvimos sobre as negociações do próximo Orçamento do Estado – é: como fortalecer o SNS?

A tónica da pergunta – servir as pessoas ou servir o SNS – muda tudo. Muda a hierarquia de prioridades, a conceção do sistema de saúde, as escolhas e políticas concretas.

Para garantir o acesso a cuidados de saúde a todos, a tempo e horas, precisamos do SNS como um meio fundamental, mas não um fim em si mesmo. Um meio que, sendo pago pelos contribuintes, tem de ser financiado eficientemente em função dos ganhos de saúde obtidos e não em função do número de atos produzidos. Tem de fixar profissionais de saúde, porque os remunera e responsabiliza, e não por que os amarra a ficar.

Para garantir o acesso a cuidados de saúde a todos, a tempo e horas, precisamos do SNS, mas precisaremos também da complementaridade dos setores privado e social, da indústria farmacêutica, dos laboratórios, das farmácias.

A pandemia já nos ensinou isso mesmo, a trabalhar “ombro a ombro”, para usar as palavras da Sra. Ministra da Saúde, precisamente quando a realidade cantou mais alto que a Internacional Socialista.

E com o envelhecimento do nosso país, por um lado, e a inovação promissora, mas dispendiosa, por outro, rapidamente se tornará claro que o SNS não é suficiente, por muito que continuemos a aumentar o seu orçamento.

Também por isso, a atual situação de rutura da ADSE é tudo o que não se deseja. Os funcionários da Administração Pública – os que não têm alternativa – foram informados da alteração de tabelas no próprio dia em da entrada em vigor e arriscam-se agora a perder acesso aos seus médicos e aos cuidados de saúde que tinham até aqui. O SNS será sobrecarregado com listas de espera acrescidas e todos perderemos.

Senhoras e Senhores Deputados,

Um Ministério da Saúde míope, que não vê nem para além dos seus preconceitos, nem para além da viabilização de cada orçamento do estado, não se apercebe nem do tamanho dos problemas com que se defronta nem das soluções viáveis que outros apresentam.

Nesta sessão legislativa, o CDS insistirá nas suas propostas para a Saúde para que todos os cidadãos, independentemente do seu código postal ou da sua carteira, possam ter uma resposta de saúde a tempo e horas.

 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

Miguel Arrobas

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Pedro Morais Soares

Círculo Eleitoral Lisboa