CDS quer esclarecimentos sobre iminente colapso do Serviço de Urgência do Hospital Garcia de Orta
Quinta, 31 Outubro 2019 00:00    Versão para impressão

garcia de ortaA deputada do CDS-PP Ana Rita Bessa quer que a Ministra da Saúde confirme o “iminente colapso” da Urgência Geral e da Urgência Pediátrica do Hospital Garcia de Orta, em Almada, que confirme que os médicos de Medicina Interna já fizeram mais de 300 horas extraordinárias e que confirme que os médicos estão “no limite da capacidade de resposta” e que a segurança dos doentes e a qualidade do atendimento à população estão altamente comprometidas.

Ana Rita Bessa questiona depois qual a justificação apresentada pela Ministra da Saúde para o agravamento de todos estes problemas, que há muito são conhecidos e para os quais a tutela ainda não apresentou solução, de que forma está a Ministra da Saúde a articular com o Conselho de Administração do hospital a dotação de meios para assegurar a normalização do funcionamento da unidade, e qual é, concretamente, o plano do Governo para solucionar rapidamente todos estes problemas.

Finalmente, a deputada do CDS-PP quer saber se o Governo vai autorizar a contratação dos recursos humanos em falta para o Hospital Garcia de Orta, e se sim, quantos serão contratados, para que especialidades e quando, e ainda se a Ministra da Saúde está em condições de assegurar que a segurança dos utentes que ali recorrem e que a qualidade dos cuidados de saúde que lhes são prestados não estão, de modo algum, em causa.

Os gravíssimos problemas com que o Hospital Garcia de Orta, em Almada, se tem deparado são sobejamente conhecidos e têm vindo a ser reiteradamente denunciados. No entanto, e apesar das promessas do Governo de os resolver “em breve”, a situação parece agravar-se a cada dia que passa estando neste momento em causa, segundo declarações públicas do Bastonário da Ordem dos Médicos, “o iminente colapso” da Urgência Geral e da Urgência Pediátrica deste hospital.

De acordo com o Bastonário “a questão dos médicos de medicina interna é preocupante. Tive conhecimento, através da carta que me enviaram, que todos eles já fizeram mais de 300 horas extraordinárias. Ou seja, já duplicaram o número de horas que têm de fazer. A situação é crítica e o hospital tem de tomar medidas com urgência”.

Segundo os clínicos de medicina interna e os chefes de equipa do Serviço de Urgência Geral, estamos perante uma “situação crítica”.

Relembramos que, conforme é público, tem-se verificado o encerramento temporário do Serviço de Urgência Pediátrica, por falta de recursos humanos para assegurar as escalas, situação que, segundo notícias recentes, só conseguirá resolver-se dentro de seis meses.

Ora, primeiro a resolução dos problemas seria “em breve”, depois seria dentro “de seis meses” e, neste momento, parece não haver, de todo, solução prevista.

A desmotivação e preocupação dos médicos são públicas, pois têm vindo a alertar para o facto de se encontrarem “no limite da capacidade de resposta” e que a segurança dos doentes e a qualidade do atendimento à população estão altamente comprometidas.

O Grupo Parlamentar do CDS-PP não pode deixar de ficar muito apreensivo e preocupado com a situação que continua a viver-se no Hospital Garcia de Orta que, apesar das várias Perguntas que já enviámos à tutela, não só não está resolvida como, pelo contrário, tem vindo a agravar-se.

Neste sentido, entendemos ser da maior urgência obter um cabal esclarecimento por parte da Ministra da Saúde.